Profissionalização e qualificação



A aposentada e, atualmente, costureira Maria do Carmo Caetano Rodriguez é uma das mais novas empreendedoras do mercado de manufatura. A aprendiz é coordenadora de um grupo de sete mulheres que acabaram de criar um atelier de costura, no bairro Ziláh Spósito, em Belo Horizonte, que já conta com seis máquinas – caseiras, industrial, overlock e reta.

Lá no atelier, ou ‘sala de costura’, como ela costuma se referir ao local, a produção de lençóis, colchas e peças diversas é fruto da criação de uma professora do curso de costura do programa Pronatec/FIC/Mulheres Mil, da Secretaria de Estado de Trabalho e Desenvolvimento Social (Sedese), executado pela Fundação de Educação para o Trabalho de Minas Gerais (Utramig). A qualificação profissional das mulheres é outro foco de atenção do Governo de Minas Gerais.

As sete recém formadas no curso de costura, turma qualificada entre dezembro de 2016 e janeiro 2017, se interessaram em investir em uma nova atividade e se uniram para gerar emprego e renda e conquistar melhorias em suas situações econômicas e financeiras, além de autonomia e independência.

Elas criaram o grupo de trabalho, que futuramente vai levar em sua logomarca o nome da ocupação Rosa Leão, na região da Isidora, em Belo Horizonte, onde as demais empreendedoras e Maria moram. A qualificação mudou a vida destas mulheres.

“Esse curso foi como um abrir de portas e nenhuma mulher saiu como entrou. Foi a minha primeira oportunidade de formação profissional e os saberes adquiridos foram para toda a vida porque nos formou integralmente, em termos de valorização da mulher, de conquista dos direitos femininos, emancipação social, autoestima, consciência sobre preconceitos e violência contra mulher. Eu vi este curso transformar para melhor a vida de muitas mulheres e devolver esperança a cada uma delas”.

Maria do Carmo Caetano Rodriguez, aposentada e costureira formada no Mulheres Mil

Até o momento, o grupo já produziu cerca de 200 lençóis e agora vai fazer cerca de 20 colchas de retalho bonitas para vender. Maria pensa no futuro e comenta que quando vier mais trabalho o atelier terá 14 mulheres, no total, trabalhando para gerar emprego e renda.

“Estamos felizes e ansiosas pelo curso de Modelista que vamos fazer como um complemento na formação neste primeiro semestre de 2017. Juntas, vamos chegar longe com nossa produção de corte e costura”, finaliza Maria.

Só no ano passado, foram 380 vagas voltadas à qualificação profissional de mulheres em situação de vulnerabilidade em diversos segmentos da economia, em sete municípios mineiros, como costura, confeitaria, biojoias, assistente administrativo, doces, entre outros, pensados a partir das demandas de cada um dos 17 Territórios de Desenvolvimento.

 

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticia/governo-de-minas-gerais-celebra-o-dia-internacional-da-mulher-com-conquistas